Você está aqui: Página Inicial Espaço do Educador Planos de aula Plano de Aula 33 - Juventude e meio ambiente

Plano de Aula 33 - Juventude e meio ambiente

Este plano de aula foi elaborado exclusivamente para a Revista Onda Jovem para a Edição 11 - junho / 2008

Tema: Meio Ambiente – o jovem construindo um mundo sustentável


Objetivo: Mostrar que a escola, aliada a outros espaços de aprendizagem, pode apoiar o jovem na construção de um projeto de mundo que incorpore a consciência pessoal, social e ambiental com a visão da sustentabilidade.

Abordagens:


- a questão ambiental é uma causa na qual os jovens acreditam e que os desperta para a ação social;
- o projeto de vida, para ser relevante do ponto de vista social, deve ir além do desenvolvimento pessoal e incorporar também a perspectiva coletiva de valorização do bem comum;
- o engajamento na viabilização do projeto de país, expresso na Constituição brasileira, e no projeto de mundo, expresso nos princípios do Desenvolvimento Sustentável, são formas de integrar o projeto de vida dos jovens em uma perspectiva coletiva.

Resultados esperados ao término das atividades propostas:
- mostrar que o tema ambiental é uma oportunidade para os educadores resgatarem o interesse juvenil pela escola e pelos estudos, além de ser uma das vias mais significativas de aprendizado e experiência política;
- mostrar que é possível integrar o projeto de vida dos jovens numa perspectiva coletiva, a partir do conhecimento do projeto de país e do projeto de mundo.

ATIVIDADE 1

Levando os jovens a conhecer as questões do nosso mundo
Iniciar a conversa afirmando que para participar da construção do projeto de nação e do projeto de mundo, é preciso que o nosso projeto de vida vá além de nossos objetivos pessoais, além de nós mesmos.
Organizar os jovens em pequenos grupos e perguntar a eles:
- Seu projeto de vida inclui também mudar alguma coisa no mundo?
Pedir a um representante de cada grupo que relate as colocações individuais e questões coletivas discutidas.

Em seguida, indagar a todos:
- Qual é nosso projeto de nação? Existe um projeto de mundo?
(Alguns dos jovens podem expressar o que conhecem de tais projetos).

Propor a todos conhecer a Constituição brasileira e os princípios do Desenvolvimento Sustentável. Eis algumas informações básicas a respeito:


1- Nosso projeto de nação está expresso na Constituição brasileira de 1998. O artigo 3º diz que constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:


- construir uma sociedade livre, justa e solidária;
- garantir o desenvolvimento nacional;
- erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;
- promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

2- A idéia do desenvolvimento sustentável vem se configurando a cada dia, como um consenso planetário, em resposta aos inúmeros desequilíbrios na ordem social, econômica e ambiental que afetam o mundo. Esse se tornou o nosso projeto de futuro, nosso projeto de mundo.
Propor aos grupos que pesquisem sobre os princípios do desenvolvimento sustentável.


ATIVIDADE 2


Conhecendo o que os jovens fazem pelo mundo

Pretendemos mostrar, por meio de práticas exemplares em escolas e outros espaços de aprendizagem, que:


- o interesse pelas questões ambientais é crescente entre os jovens;
- as iniciativas que envolvem o contato direto dos jovens (incluindo a circulação e experimentação) em ambientes naturais são uma forma de conscientização, conhecimento e envolvimento afetivo dos mesmos com as questões ambientais.

Sugerir um relato de experiências, selecionando jovens envolvidos em causas ambientais e sociais, com vivências significativas para si mesmos e para a coletividade. Se não houver um jovem com esse perfil, convidar alguns da comunidade para contar sobre sua experiência. Perguntar:
- Em que medida a sua ação transforma o mundo? Que impacto isso tem na sua vida?

Em seguida, caberá ao educador explicar a importância de incorporar a dimensão coletiva nos projetos de vida dos jovens:
“O fato de o jovem não dispor de ambientes adequados para refletir sobre a relevância de sua contribuição é preocupante. De fato, ele se vê pressionado pelo mote contemporâneo do imediatismo e por ameaças, por vezes fantasiosas, de que se ficar pensando em "trivialidades" vai ficar para trás. Isso abala a formação de sua interioridade e destrói muitas de suas potencialidades, da sociedade e do país.

Construir e fortalecer uma interioridade significa, portanto, construir e fortalecer a afirmação da individualidade no coletivo, no desenvolvimento do espaço comum. Significa superar o padrão escolar formal, e mergulhar em outras possibilidades, expandir horizontes, reinventar nossa percepção de mundo. Interagir, estabelecendo conexões sólidas com o bem comum. A partir dessa conexão, penso que será mais factível um projeto de país. Acho que já não basta a máxima segundo a qual tudo dará certo se cada um fizer a sua parte. Só há parte quando se tem algum acordo em relação ao todo. Não temos esse acordo, e o todo está apenas esboçado na Constituição. É necessário assentá-lo como realidade.”. (Sérgio Esteves)

Refletir sobre o que significa incorporar a visão do projeto de nação nas ações dos jovens pela valorização do bem comum. Fazer o mesmo em relação às questões do desenvolvimento sustentável:
“Meio Ambiente constitui ..... o campo tenso das possibilidades de engajamento e de atribuição de sentidos para a ação política dos sujeitos contemporâneos de um modo geral, e dos jovens em particular.
A questão ambiental surge... como uma causa com grande potencial de identificação e nova oportunidade para o engajamento social e político dos jovens no Brasil.
Uma consciência ambiental, ainda que difusa, parece estar se disseminando entre segmentos jovens, ao menos enquanto potencial motivação para ação coletiva.
A valorização da natureza e a preocupação com o futuro do planeta têm se mostrado particularmente atrativas para a formação de grupos jovens para ação ambiental, como se pode ver pela forte presença jovem entre voluntários e ativistas de grandes ONGs.
... o que parece atrair os jovens para a ação ecológica como um tipo novo de engajamento político é sua centralidade em problemas concretos, em oposição ao tradicional debate ideológico, visto pelos jovens como supostamente estéril; a atração pelas causas planetárias ultrapassando os conflitos locais; e a valorização de uma dimensão ético-moral que estes percebem como ausente das práticas políticas tradicionais.” (Isabel Cristina de Moura Carvalho)

ATIVIDADE 3

Medindo a cidadania ambiental

Proponha aos grupos “medir” sua cidadania ambiental por meio de respostas individuais a um questionário. Veja o exemplo da prof. Regina Viegas, do Cefet/RJ e os dados da sua pesquisa: “Avaliação do Perfil de Cidadania Ambiental de Estudantes do Ensino Médio-Técnico do Cefet-RJ” ( Onda Jovem – Banco de práticas – edição 07 ).
Questões a serem respondidas pelos jovens e registradas para tabulação de respostas, elaboração de banco de dados e gráficos para análise posterior pelo grupo:


1) Você acredita que suas ações isoladas podem modificar a continuidade de práticas prejudiciais ao meio ambiente?
2) O assunto meio ambiente faz parte de suas conversas com sua família e com seus amigos?
3) A sua escola aborda temas relacionados ao meio ambiente dentro das diversas disciplinas curriculares?
4) Você tem o hábito de ler matérias em jornais ou revistas, ou acessar sites ligados a questões ambientais e sustentabilidade?
5) Qual o problema ambiental que mais preocupa você e que atitude você tem tomado em relação a ele?
ATIVIDADE 4

Pesquisando iniciativas jovens

Propor aos jovens que busquem conhecer experiências práticas:
- iniciativas de escolas ou ONGs que constroem projetos de educação ambiental e participação juvenil a partir da realidade concreta, interesses e motivações dos jovens;
- iniciativas que envolvem a circulação e experimentação em diferentes ambientes naturais como forma de conscientização, conhecimento e envolvimento afetivo dos jovens com as questões ambientais.
Confiram os projetos:
- Com-Vidas nas Escolas: Programa Juventude e Meio Ambiente (MEC);
- Escolas públicas de Mogi das Cruzes, SP: Projeto Amigos do Futuro – Concurso Desafio das Águas;
- Escola Estadual Monsenhor João Batista de Carvalho, SP: Camilla da Rocha Castilho, do Grêmio Estudantil;
- Instituto Ação Triângulo: Ong de Santo André, no ABC paulista, que trabalha com jovens a questão do consumo consciente e inclusão social;
- Vitae Civilis: Ong que forma jovens monitores ambientais em São Lourenço da Serra, SP;
- Fórum Juvenil da Agenda 21: Projeto Forja 21com jovens, em Santos, SP;
- Coletivo Jovens de Meio Ambiente do Amazonas: Programa de cuidados com o meio ambiente e exercício da cidadania;
- O físico Gilson Coutinho Jr dissemina valores ecológicos. Engajado no programa Escola da Família, em que as instalações das escolas estaduais ficam à disposição da comunidade nos finais de semana, em Rio Claro, SP, ajudou a confeccionar um pequeno equipamento para fazer sabão. E passou a pedir para que as donas de casa guardassem o óleo de cozinha que seria descartado para a produção do sabão caseiro. Agora, ele e seus companheiros querem implantar um sistema de coleta de água da chuva na mesma escola.

O educador deverá continuar apresentando dados concretos que possam servir como elementos mobilizadores dos jovens a reflexões, propostas e ações práticas em suas comunidades. Ver a edição 7 de Onda Jovem,que traz:
“O interesse pelas questões ambientais cresceu extraordinariamente entre os jovens nos últimos 14 anos, desde a Eco-92..
A pesquisa "O Que Pensa o Brasileiro Sobre o Meio Ambiente, Desenvolvimento e Sustentabilidade", cuja etapa mais recente foi realizada em março de 2006, pelo ISER - Instituto de Estudos da Religião (em parceria com o Ministério do Meio Ambiente), mostra que, dos 479 jovens de 16 a 24 anos entrevistados em todo o país pelo Vox Populi, 79% têm consciência ambiental. Suas principais preocupações são o desmatamento e a poluição das águas e do ar.
"Os jovens estão mais informados, e os mais escolarizados manifestam disposição para contribuir e até participar de ações, mas não encontram muitas organizações para isso no Brasil", diz Samyra Crespo, coordenadora das pesquisas do ISER.
Outros dados da pesquisa revelam que 26% dos jovens querem saber mais sobre temas ambientais e, para eles, o respeito ao meio ambiente é um dos maiores valores da sociedade ideal.

ATIVIDADE 5

Trabalhando pelo envolvimento emocional dos jovens com as questões do mundo

Discutir a importância do envolvimento afetivo dos jovens na formação da consciência ambiental. Só se pode amar aquilo que se conhece.
“...os ambientes que compõem nossa vida são distintos, assim como nossa relação com eles, seja na forma de percebê-los, conhecê-los, seja na forma de reagir afetivamente a eles. Se é assim, então a educação ambiental também precisará diferenciá-los. Os educadores ambientais já sabem que somente a informação ambiental não é suficiente, que o vínculo afetivo entre pessoa e ambiente também precisa ser trabalhado para que o processo de transformação dessa relação seja realmente completo e permanente. Por isso, as iniciativas de promoção de comportamentos pró-ecológicos incentivam o vínculo da pessoa com o seu lugar.” (José de Queiroz Pinheiro)

“Além das questões de conservação e preservação de recursos, a sustentabilidade e a planetaridade (considerar o planeta como um todo) são temas presentes em outras áreas do conhecimento – da economia à pedagogia, que não podem fugir desse compromisso com os jovens.
O educador Moacir Gadotti, famoso estudioso da filosofia de Paulo Freire, chama a atenção para isso: “A educação para e pela cidadania é também uma educação para uma sociedade sustentável. A Escola Cidadã e a Ecopedagogia sustentam-se no princípio de que todos, desde crianças, temos um direito fundamental que é o de sonhar, de fazer projetos, de inventar.”

Fontes, referências e leituras para o educador:

- Marcos Reigota, professor de Mestrado em Educação na Universidade de Sorocaba: fala da questão da educação ambiental no Brasil, inspirada por Paulo Freire.
- Nícia Wendel Guimarães, professora pioneira no estudo do meio fora da sala de aula.
- Jacques Demajorovic, coordenador do bacharelado em Gestão Ambiental do Senac, em SP.
- O sujeito ecológico / Isabel Cristina Moura Carvalho - Onda Jovem, ed. 07
- Por um projeto de nação / Sérgio A. P. Esteves - Onda Jovem, ed. 01
- Afeto planetário / José de Queiroz Pinheiro - Onda Jovem, ed. 07
- Questão de hábito / Karina Yamamoto - Onda Jovem, ed. 07
Práticas interessantes:

- Avaliação de perfil de cidadania ambiental – Onda Jovem, ed. 07
- Instituto Ação Triângulo – Onda Jovem, ed. 07
- Vitae Civilis – Instituto para o Meio Ambiente, Desenvolvimento e Paz – Onda Jovem, ed. 07
- Coletivo Jovem de Meio ambiente do Amazonas – Onda Jovem, ed. 07

Ações do documento

Onda Jovem