Você está aqui: Página Inicial Espaço do Educador Planos de aula Plano de aula 28 - O Aprendiz

Plano de aula 28 - O Aprendiz

Este plano de aula foi elaborado com exclusividade para a Revista Nova Escola e encontra-se disponível no site:http://revistaescola.abril.com.br

Conteúdo
O mundo do trabalho


Objetivos

Analisar a função do estágio, da Idade Média aos dias atuais

Conteúdo relacionado

Reportagem da Veja:
•    Falsos estágios?
Reportagem:
•    Para que serviam os castelos?

Introdução
O artigo do economista Claudio de Moura Castro publicado em VEJA analisa se o estágio é porta de entrada (ou dos fundos) para a profissão e discute a validade da legislação que rege a contratação dessa mão-de-obra. Que tal abordar o assunto com o público-alvo - o estudante do Ensino Médio que está prestes a se formar?

Atividades
1ª aula - Leia para os alunos o texto do historiador belga Henri Pirenne (1862-1935) que descreve o mercado de trabalho na Idade Média. "Os membros de toda corporação dividem-se em categorias subordinadas umas às outras: os mestres, os aprendizes e os companheiros. Os mestres formam a classe dominante de que dependem as outras duas. São pequenos chefes de oficinas, proprietários da matéria-prima e das ferramentas. Pertencem-lhes os produtos fabricados e, portanto, todos os lucros da venda ficam em suas mãos. Ao seu lado, os aprendizes iniciam-se no ofício sob sua direção, uma vez que ninguém pode ser admitido no exercício da profissão sem garantia de capacidade. Os companheiros, enfim, são trabalhadores assalariados que terminaram o aprendizado, porém não puderam ainda elevar-se à categoria de mestre" (trecho extraído do livro História Econômica e Social da Idade Média).

Peça à classe que se divida em grupos e pesquise textos e imagens sobre o papel do jovem em uma oficina artesanal entre os séculos V e XV. O resultado deve ser apresentado em cartazes que serão afixados na sala na aula seguinte.

2ª aula:  Debata as funções do aprendiz, convide os jovens a explorar o processo de desenvolvimento do Brasil que sofreu uma profunda transformação desde o início do século XX.

A industrialização foi intensificada a partir de 1930, depois da grande crise que atingiu o principal produto de exportação brasileiro, o café. Também esteve vinculada à gestão de Getulio Vargas, que avançou no controle estatal das atividades ligadas ao petróleo e a combustíveis por meio da criação do Conselho Nacional do Petróleo. Na década de 1940, o presidente fundou a Companhia Siderúrgica Nacional e a Companhia Vale do Rio Doce.
Mesmo durante o regime militar, entre 1964 e 1985, o padrão de desenvolvimento foi mantido baseado na expansão do mercado interno. As exportações viveram franco crescimento.

O "país do futuro", para usar uma expressão da época, oferecia um mercado de trabalho amplo e a grande população jovem era beneficiada (a taxa de natalidade era maior do que a atual). Nas fábricas e escritórios, por exemplo, era rotineira a presença do estagiário, como passaram a ser chamados a partir do final dos anos 1950, quando foram admitidos nos setores mais dinâmicos da economia. O estágio era o caminho para no futuro próximo ser efetivado como empregado de uma empresa. Proponha aos alunos uma pesquisa sobre esse período histórico e escale-os para exibir os resultados para a classe.

A busca pelo emprego sempre foi uma preocupação do brasileiro e ocupa diariamente as páginas de jornais e revistas. Isso é algo mais presente nos últimos vinte anos, quando o processo de aceleração da economia acabou sendo interrompido e até hoje não foi retomado, ao menos no ritmo que reinou até a década de 1970.

Solicite aos adolescentes que se dividam em grupos e discutam suas perspectivas, o que desejam estudar, qual a profissão escolhida e a importância do estágio como momento inicial da vida profissional. Não esqueça de investigar, junto com eles, as áreas mais promissoras de acordo com a opinião de especialistas. Cada grupo deve apresentar um relatório e compartilhar os resultados com a classe.

3ª aula: Em algumas companhias, a adoção do estágio serve para explorar um empregado pagando salários baixos e criando uma situação de instabilidade para os funcionários mais antigos. Pela idade e tempo de carreira, os mais velhos têm mais responsabilidades profissionais, pessoais e até familiares, diferentemente do jovem, que, normalmente, é solteiro, vive na casa dos pais e tem poucos gastos com serviços, como o pagamento de água, luz e aluguel.

Peça a cada aluno que escolha um parente para ser entrevistado sobre o início de sua carreira. Pode ser o pai, o irmão, o primo, o tio ou o avô. Para aqueles parentes que passaram pelo estágio, sugira que descrevam de forma minuciosa o significado dessa experiência para a futura vida profissional. Selecione os melhores depoimentos e apresente para a classe, pedindo também que os estudantes esclareçam as eventuais dúvidas que possam surgir.

4ª aula:
  Depois da leitura do artigo de Claudio de Moura Castro, incentive os alunos a saber mais sobre a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), conjunto de normas que regula as relações trabalhistas e incluis os estagiários, limites de horários, remuneração e outros. As informações podem ser obtidas no Ministério do Trabalho ou em pesquisas do IBGE.

Para seus alunos - Porta de entrada

Fundado há 43 anos, o Centro de Integração Empresa-Escola  o CIEE  é uma ONG. Nessas quatro décadas, ele já inseriu cerca de 7 milhões de jovens estudantes no mercado de trabalho, contando com a parceria de 140 mil empresas e órgãos públicos. Mantido por empresas, tem sua atuação pautada pela legislação específica para o estágio: a Lei 6494/77 e seu decreto de regulamentação (87497/82).

No vestibular 2007 da Fuvest, por exemplo, a relação de candidatos por vaga nos cursos ligados à tecnologia da informação da Universidade de São Paulo, USP, não chegou a dez, enquanto em Publicidade e Propaganda essa relação chegava a 61. "O CIEE mantém mais de 13 mil estudantes de TI em programas de estágio e, nesse momento, conta com cerca de 800 vagas abertas", informa Eduardo Sakemi, superintendente de Tecnologia e Logística do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE).

De acordo com ele, no ano passado 13 mil organizações privadas e públicas abriram 42 mil vagas de estágio.

Mais informações no site www.ciee.org.br

Ações do documento

Onda Jovem